04/10/2010

Olho para a noite




Olho para a noite
Na espera que ela anuncie
Uma nova alvorada
Através da janela só as luzes
Da cidade meio adormecida
Ao fundo, as notas soltas
De um piano compõem
A melodia que me leva dali

Até ao íntimo de ti…
Caminhos nunca antes trilhados
Desvendados na alquimia
Das almas que se tocam
E dos corpos que se fundem
No fogo da paixão
Assim, vivendo a saudade
De um sentimento
Muito mais que sentido…
Predestinado, completo.
Eternizado…

Liz

3 comentários:

♣ Ąηηα ♣ disse...

Olhas e olhas muito bem... ou seja... sentes e transcreves isso lindamente. O mistério da noite é aliciante.
Não gostei...como sempre...ehehehehe
Bjs
Amo-te!

Dina Rodrigues disse...

Liz, cheguei! O teu Espaço está muito bonito... outra coisa não se podia esperar!Ando a visitar os meus novos vizinhos.
Beijo
Dina

JoséManuelBarbosa disse...

Esse piano até poderia ser o do Vargas, a cidade uma qualquer e a noite uma de tantas outras... sem dormir...
Ouvindo as mesmas melodias que não outras ou se outras iguais no enlevo e na sedução pela vida feita momentos...
Nunca antes trilhados por nenhum sendo nós que no desbravá-los nos entregamos sem condição, sem apelo à descoberta num fogo devorado pela paixão...

Um beijo... irrequieto!