22/06/2017

Sonho Ferido

Imagem: Sarah Maxwell


 O meu sonho voava,
por onde o destino o levava.
Voava livre e contente,
como a pomba que o inspirava.
Às vezes, nas asas do vento,
outras, em contra corrente,
sempre dando largas ao sentimento.
Por aqueles dias, acreditava
que não havia amarras para o conter.
Bastava o seu querer.
 
No entanto, de seguro que se sentia
descuidou o seu voar.
Tal como a pomba que não soube ver
as farpas que não queria,
também o meu sonho acabou a sangrar.
Rasgado de tanto querer
ir, sem saber para onde ia.
Preso nas teias do meio caminho,
lavou-se assim de sangue
o sonho que voava ao sabor do destino.
 
Mas o percurso não acabava ali,
nem o querer que o movia… 



05/06/2017

Dar Vida à Vida

Foto de caspian.ucoz

Perde-se-me o olhar
na imensidão do teu renascer.
Oh alva madrugada, sentida
no leito da emoção,
dos sonhos em ti gerados.
Delírios de noite inacabada,
caminhante, por trilhos
de terra lavrada com paixão.
E mãos de pele rasgada.
Ventre fecundo,
onde a semente volta a crescer.
Nos olhos retenho guardados
mistérios  de adentrar
as entranhas do mundo

… e de novo, dar vida à vida! 


17/04/2017

Apresentação do livro Triunvirato de Uma Alma Inquieta


... é já no próximo dia 22 de Abril e espero-vos todos lá! 

15 H - Sala de Conferências do Hospital de Portalegre 



08/04/2017

Uma flor para ti


Desconheço autoria da imagem 

Uma flor…
é o que eu procuro para te dar,
na densidade deste jardim.
Uma flor límpida e singela,
tal como o que sinto por ti!

Não é vistoso, nem exuberante,
este sentimento que guardo,
no mais recôndito recanto
da minha alma, já desnuda.
Mas é leve e transparente,
como a água da forte corrente
do rio que segue até ao mar!
E no oceano de águas profundas,
também ele se inunda
de saudades, se não te sente.

Por isso…
a flor que eu procuro
não tem de ser a mais bela.
Apenas, límpida e singela,
como o que sinto por ti!



22/03/2017

Olha-me nos Olhos

Foto: ALBERTO LOI

Olha para mim…
olha-me no fundo dos olhos
e diz-me o que vês.
Com certeza, saberás decifrar
tudo o que eu não sei.
Porque tudo o que me preenche,
neste momento, é mistério.
Um certo estado de alma,
que vai para além da compreensão.
Insanidade, talvez…
mas que eu não entendo o porquê.
Diz-me que é normal…
levitar com os pés assentes no chão,
ou pairar sobre as nuvens,
mesmo em manhãs límpidas de Verão.

Olha-me no fundo dos olhos…
e diz-me o que vês!  


20/03/2017

Dar Tempo ao Tempo

Fotografia: Марк Олич

Tenho momentos
em que me falta o alento,
para expandir todo o meu eu.
Tal é a pequenez das horas,
onde a vontade se prendeu.

Queria tanto
ir e derramar por ai fora,
a grandeza deste sentimento.
Render-me, como por encanto,
ao universo, sem a menor demora.

Ir com o vento,
até à infinitude do meu ser.
Apagar o espaço do tempo,
que aprisiona a possibilidade
de  fazer render o pensamento.

E aprender
essa grande habilidade,
talvez, impensável realidade
de enganar para convencer
o tempo a dar tempo ao tempo.


19/03/2017

Conversei com as estrelas - Luísa Vaz Tavares


Tinha a dor presa em mim.
Brutal, com nós impiedosos
que não conseguia desatar.
Nem com a minha força para viver.  

Então fui à janela e
conversei com as estrelas.  
De olhos postos em mim, falei-lhe
de como me sentia pequenina.
Perdida no meu mundo de dor.  
De como me sentia impotente,
perante o tamanho da minha angústia.
Que era a maior de todas.  

E elas disseram-me
que levantasse os olhos de mim
e olhasse em frente o horizonte,  
que se desenhava no céu.
E para lá dele o universo infinito
que havia à minha volta.  
Só para mim, e para quem eu quisesse.  
Universo sem limites, que eu poderia
construir á minha medida .