19/12/2015

Um pensamento de Natal

Um dos muitos presépios que se podem apreciar em toda a freguesia de Alegrete,
construídos pela população

Natal é tempo de amor, paz, solidariedade. Natal é época de partilha. Parece que nesta altura do ano, toda a gente fica mais disponível para dar e receber. Esquecem as zangas e os conflitos para se juntarem em confraternização. E até as guerras se interrompem em ligeiros momentos de tréguas. De várias maneiras e com diferentes formas de sentir, todo o universo se une para celebrar o Natal. No fundo, aquilo que devia acontecer todos os dias. Então porque é que não fazemos de cada dia um Dia de Natal?



09/12/2015

Novo Projecto de Empreendedorismo Digital


Novo projeto de empreendedorismo digital que começa com um livro

            Chama-se Brave And Smart e pretende vir a ser um serviço inovador, ousado e prático, para quem deseja mudar de pais a médio\longo prazo. De uma forma responsável e sustentada esta plataforma digital tem por objetivo prestar apoio e planeamento em projetos de mudança para o estrangeiro, seja em estudo, trabalho ou de qualquer outra forma. Ao abrigo do programa Erasmus ou não.
O seu arranque será feito através do livro “Brave And Smart – uma aventura chamada Erasmus” da autora Lina Raposo Vaz, que simultaneamente é a administradora do site http://brave-and-smart.wix.com/brave-and-smart, cujo lançamento terá lugar no Bar Porta Aviões em Portalegre, no dia 12 de Dezembro pelas 16 h.
Este livro com a chancela da editora CapitalBooks relata a experiência da autora enquanto estudante de sociologia na cidade de Turim, ao abrigo do programa Erasmus.

Contactos:
Telm – 964466503

Email - braveandsmart.direction@gmail.com

 

 


20/11/2015

Que rumo...?

Fotografia: photodom.com

Não! Eu não quero desacreditar…
que o mundo é um lugar
onde podem florescer amores
nos corações a palpitar
com sonhos de várias cores.

Não! Eu não quero ver escuridão
nos olhares em desesperança
de quem já não ouve o coração ,
porque mergulhou na ilusão
que é com guerra que se avança.

Não! Não há lugares marcados
às portas de todos os infernos ,
muito menos de qualquer céu.
Nem o mundo está fadado
a ficar para sempre neste breu.

                                                                     
                            
                                    Porque um dia rumaremos a uma qualquer manhã de sol! 


11/11/2015

Quero...

Imagem Google

Quero… ofuscar-me com o dia mais claro.
Perder-me na noite mais escura.
Quero conquistar o sol e aterrar na lua.
Dançar com as estrelas, voar nas asas do vento.
Quero o sonho. A fantasia. Realizar a utopia.
Quero tudo ou nada, porque a metade não me chega.

… vou abraçar o infinito.


06/11/2015

Serena inquietude

Imagem Google

Dentro desta acalmia
Há uma inquietude presente
Sinto ânsias de mudar
Qualquer coisa que me angustia
E que a minha alma sente

O que é? Não sei…
Mas é uma busca permanente
Que há muito iniciei
Dentro do meu ser e estar
Sempre sofregamente

É talvez a necessidade
Do meu espírito irrequieto
Sereno mas inquietante
Que mesmo na serenidade
É desassossegado…

                                eternamente !



04/11/2015

Existência

Imagem Google

Quanto mais tomo consciência do mundo mais me dou conta de como a minha existência é pequena. As minhas mágoas, as minhas angústias, as minhas tristezas, as minhas alegrias, as minhas vitórias ou as minhas derrotas, são pequenas gotas no grande oceano que é o mundo. Mas não são insignificantes, não. Porque de pequenas gotas se faz um grande oceano, e cada um de nós pode ser o pensamento que germina a mudança. Não sou uma grande pensadora das ideias do universo mas acredito na diversidade para construir um todo e acredito que cada pessoa pode marcar pela diferença… 



31/10/2015

Santinhos\Halloeen


Bruxas? Eu não acredito nelas “pero que las hay, las hay”. Desculpem lá o portunhol, mas apesar de tudo sempre me diz mais que qualquer halloween vindo lá das américas. Afinal sempre fica aqui mesmo ao lado.
Não entendo, juro que não, porque é que as nossas escolas vestem as crianças com fatos aberrantes – que algumas até têm medo daquilo que têm vestido -, pintam abóboras e sei lá que mais e não as levam a pedir os santinhos.
Pedir os santinhos ou pão por Deus, como se diz em algumas zonas do país, é que é a nossa tradição.

E um povo que abandona as suas tradições abandona a sua identidade.



30/10/2015

Hoje



Hoje, só hoje…
Quero ser apenas eu
No meu sentir mais profundo
Trilhar caminhos só meus
Para depois os abrir ao mundo
Solitária em alguns momentos
Em outros partilhar sentimentos
Quero ser dádiva e recepção
Vida, alma e coração.

Hoje, só hoje…
Porque amanhã chegará depois.



28/10/2015

in "Alegrete D'Aquém e D'Além Mar"

... Todas as partidas implicam uma chegada. Com ou sem retorno, há sempre qualquer coisa que muda. Pode ser apenas a paisagem ou pode ser uma mudança em nós. Podemos mudar a aparência como se muda a embalagem de qualquer produto ou podemos mudar o próprio produto. O que parece consensual é que quando se muda vai-se sempre com a convicção de que é para melhor. ..

... - Uma mulher chora sempre. Chora quando está profundamente triste, chora quando está extremamente feliz, chora quando odeia, chora quando ama. Chora quando o coração lhe transborda de sentimentos que a marcam para todo o sempre... 

... - Vês aquela estrelinha que brilha mais, ali no meio das outras?
- Sim e que tem ela?
- Ela ilumina o caminho dos meninos bons e ela hoje está especialmente focada para teu caminho...  



26/10/2015

Simplesmente... assim




É simples, é muito simples, são as coisas simples que fazem os grandes momentos. Um sorriso para quem está triste, o canto de um pássaro ou um raio de sol, podem transformar o dia mais escuro no mais resplandente trajeto de luz. Uma flor no lugar mais recôndito pode embelezar o caminho mais tortuoso. Uma gota de orvalho pode atenuar a sede ao mais sequioso dos caminhantes. São os pormenores do percurso que valem a pena, não a meta!



21/03/2014

Diz-se por aí...

Foto: Photodom.com

Diz-se por aí…
que hoje o dia é da poesia.
Eu… não sei se por desapego
ou se é por esta minha rebeldia,
não a sinto nem mais nem menos
que em qualquer outro dia.

Não sou poeta, não…
mas tenho dias que sou poesia.
Assim como sou mulher, menina,
amante… maré cheia, maré vazia.
Ou fases da lua que se harmonizam
em completa desarmonia.

É a alma que me encaminha
o espírito que se revela
nas mais audazes fantasias…! 



18/03/2014

Os Caminhos da Felicidade

A felicidade é um caminho natural e inerente a cada ser humano. Ninguém nasce para ser infeliz. Há é, muitas vezes, a perda ou a troca do caminho a seguir. Por engano ou por opção, a postura que cada um adopta perante a vida tem implicação directa no seu estado de felicidade ou infelicidade. A felicidade não se adquire, como um bem exterior que se agrega ao corpo, ela constrói-se por dentro. Com a alma, com o espírito, no íntimo das nossas convicções. Adoptando comportamentos que geram bem-estar, paz de espírito e plenitude de alma.
Uma pessoa feliz não faz a sua felicidade depender dos outros, não se deixa dominar por sentimentos negativos, não cultiva ressentimentos nem situações que lhe causam ansiedade, depressão ou stress. Para quê, desperdiçar, com revoltas, o tempo que pode ser ocupado com as coisas boas da vida?
Ser gentil, tratar os outros com dignidade e respeito permite construir relacionamentos mais fortes e duradoiros. Praticar o bem, ser solidário, provoca satisfação e bem-estar. Porque a lei do retorno existe e está constantemente em execução. Ninguém é uma ilha e cultivar relacionamentos saudáveis é fundamental para o bem-estar do espírito.
Fazer de cada problema um desafio, uma oportunidade de superação, uma aprendizagem para fazer mais e melhor, torna-nos mais fortes e seguros. E pessoas mais seguras de si próprias são mais felizes. Não vale a pena ver os problemas como desvantagens, eles têm que ser resolvidos e se concentrarmos as energias na sua resolução mais facilmente eles desaparecem.
Valorizar aquilo que se tem dá um sentido mais profundo de plenitude. Embora o desejo de querer mais e melhor seja legítimo, esse desejo nunca deve ser uma ansiedade mas sim um estímulo para ir mais além. Sonhar, projectar, em grande, prepara a mente para uma atitude positiva, mas com a consciência da importância do que já se tem. Se há coisas pequenas que são importantes, há outras que não merecem a mínima atenção, por isso há que saber filtrar o que realmente importa.
Saber ver nos outros o melhor que eles têm leva-nos a pensar positivo, sem ter necessidade de julgar. Procurar caractericas negativas gera negativismo. Ninguém é culpado dos erros de ninguém, assumir os próprios erros ajuda a caminhar para melhorar. Cada ser humano é uno e tem o seu próprio caminho a percorrer, as comparações são sempre injustas e levam a sentimentos de superioridade ou inferioridade que impedem o progresso. Cada pessoa deve seguir o seu próprio caminho, construi-lo à sua medida, sem procurar a aprovação dos outros. Deve ouvir, trocar opiniões, aconselhar-se, mas tirar as suas próprias conclusões e fazê-las prevalecer.
Cada pessoa deve procurar ter pleno conhecimento de si mesma, gostar de si e sentir-se bem na sua própria companhia. Estar em silêncio sem que isso a incomode e conhecer os próprios limites. Deve exercitar a mente e também o corpo. A frase feita “mente sã em corpo são” é absolutamente certa.
Se é verdade que o passado foi importante para a construção daquilo que somos hoje, também não é menos verdade que é uma realidade já passada, por isso há que viver plenamente o presente, com a consciência do papel do passado mas valorizando acima de tudo o presente.

Fotografia: Zé Luís Brás

Viver com o que é necessário e dá conforto, mas dispensar o que não faz falta. Os excessos incomodam, como tal, cada um deve ter consciência do que precisa e do que o sobrecarrega. Deve viver com a sua realidade e não abdicar da sua verdade.
Ter consciência daquilo que depende, ou não de nós é também um caminho para a felicidade. Adaptando-nos ao que não pode ser mudado e empenhando-nos no que podemos mudar.

Acima de tudo, a felicidade depende das escolhas que ao longo da vida se vão fazendo. Sendo que o objectivo não é a meta mas sim o percurso que se vai fazendo a cada momento. A felicidade não é um estado absoluto e imutável, a felicidade é uma construção contínua ao longo da vida.



02/06/2013

Histórias Sobre Fotografias: Gaivota Tridáctila

 
Atenta, ela assistia ao zarpar dos navios. A gaivota tridáctila, de corpo miúdo e voo ligeiro, que espalhava ao vento as mensagens do mundo. Notava-se-lhe um certo ar de tristeza, havia dias que estava em terra sem que, no mar, houvesse sinais de tempestade. Mais um navio se afastava, lá se ia equilibrando na crista da onda. Outra gaivota sobrevoava a embarcação, da popa à proa, ia e volteava, num vaivém de voos tangenciais. Vento frio, gélido no rebentar das ondas, e o grito da companheira. Lembrava-se de tudo menos do momento em que ela se havia prendido nas amarras do navio. Se o tempo é um limador de arestas, certamente, um dia iria recordar aquele quadro com a melodia da saudade.
Luz, textura, cor. Escuridão. O vento sopra forte e o navio adentra-se na tempestade. Enraivecem os gigantes dos mares. As ondas embatem no farol e intensifica-se o ruido que vem do quinto dos infernos, onde os demónios lutam pelo domínio das águas e dos ares. E das gaivotas que voam livres, espalhando as mensagens do mundo. Quantas tinham sido as tormentas que, juntas, haviam passado na fresta de uma falésia escarpada? Tantas, tantas que não daria para as contar. E os voos rasantes, na praia, sob as estrelas e o luar. Havia mais uma estrela no mar.
Amanhã, empreenderia novos voos solitários. Talvez em bandos, quem sabe!... Amanhã voltaria a voar. Porque quem volta tem sempre uma história para contar.


15/05/2013

O Monstro do Amor - Ocultos Buracos


A colectânea “Ocultos Buracos” é uma obra da Pastelaria Studios Editora  onde os vários autores, dando largas à imaginação, escreveram Histórias Horríveis ou Impossíveis. Esta é a minha história impossível nesta colectânea.


O Monstro Do Amor

O tempo passara rápido, tão rápido que nem dei pelas primeiras estrelas se erguerem no céu. Deambulando por ali e tentando afastar a melancolia que me preenchia a alma sentei-me no chão macio de capim quase ressequido pelo calor da planície e fiquei a observar os últimos raios de sol daquele dia, que fora mais um daqueles em que as estrelas se incendeiam antes de chegarem à noite. E num ápice, o sol já se recolhera no horizonte do seu descanso nocturno, deixando-as apenas a elas, as estrelas que eu via erguerem-se uma a uma no céu de veludo que brevemente seria negro...

- Não tarda e a lua aparecerá bem lá no alto qual rainha dos céus.

Sem que eu tivesse tempo nem mesmo para me refazer do susto e já aquela criatura se sentava ao meu lado fazendo-me sentir tal arrepio pelo corpo acima que a minha única reacção foi apertar-me com os meus próprios braços, abraçando-me a mim mesma. Não o tinha sentido aproximar-se, estava talvez demasiado concentrada na minha imensurável melancolia mas a verdade é que aquele ser de aparência esquisita veio em pezinhos de lã.

- A lua, a linda rainha dos céus está quase a chegar. – Repetiu, fazendo com que me virasse na sua direcção e como que com um íman os seus olhos atraíssem os meus, ao contrário do que tinha visto antes, que me parecera um monstro de um filme de terror, via agora um olhar meigo que me envolvia com toda a ternura do mundo. Era magnético aquele olhar castanho de mel, adoçava-me por completo o espírito e a alma. A melancolia que me levara para ali desaparecia completamente e a voz saiu-me num sussurro.

- Sim, a lua…

- Hoje é lua cheia e eu sei que tu adoras a lua cheia.

Sim, é verdade que nutro um certo fascínio pelas noites de lua cheia. A noite da planície iluminada, apenas, pelo brilho da lua cheia assemelha-se ao mais belo quadro que algum pintor jamais pintou. Mas como é que alguém que eu nunca vira sabia deste meu fascínio? A não ser que… não, não podia ser. A única pessoa que me provocava aquelas sensações era alguém por quem eu me vinha apaixonando e que as minhas amigas apelidavam de monstro, mas ele não era monstro, era tão bonito no seu porte de homem sensual, o rapaz mais bonito do liceu. Como é que alguém podia dizer que aquele rapaz de olhos castanhos de mel e corpo musculado, na medida certa, era um monstro?

Definitivamente não era ele. Mas sentia-me tão bem naquele abraço em que o seu olhar me envolvia. Aproximei-me mais e pude ver os lábios que emolduravam um sorriso estampado numa boca perfeita. Senti vontade de o beijar. Possuída por um impulso momentâneo cerrei as pálpebras e fiquei de boca entreaberta para saborear o beijo, senti-o aproximar-se, o hálito macio e os lábios quase colados aos meus disseram-me que o seu olhar passava de ternurento a apaixonado. O beijo foi delicado mas intenso, exigente e de total entrega. E eu, eu abandonei-me por completo ao deleite que aquela boca espalhava por todo o meu corpo.

Devagar e enquanto, com o olhar me aprisionava a alma, vestiu o meu corpo de caricias, mãos de seda que me faziam alcançar as nuvens e, na noite, choveu. Choveu uma chuva de prata que o fez inundar-se de mim, quando para me proteger, poisou o seu corpo sobre o meu. E juntos olhámos o céu. Nada mais existiu para além dos corpos sintonizados com a natureza… e a lua. A lua que desde que subira sobre o manto de veludo negro se tornara nossa cúmplice. Cantos de anjos se entoaram nos céus, desafiando o meu Deus, o meu Deus grego do amor, a entoar com eles a paixão. E assim se compuseram as mais belas melodias de amor.

Depois, depois a dança de uma coreografia arrojada sob o olhar cúmplice da lua, até aos últimos passos que explodiram em êxtases de corpos e almas fundidos num só.

E finalmente, paz! A paz dos espíritos que num mundo de total serenidade se pertencem.

Senti a felicidade em toda a sua plenitude e quase jurava que ele também. Entre promessas e beijos adormecemos… até que os primeiros raios de sol anunciaram a alvorada.

- Tu não és um monstro… - Soltaram-se-me da boca, as palavras, antes mesmo que o meu raciocínio, ainda adormecido, as pudesse processar.

-…?!

- Ontem à noite estavas diferente.

- Diferente, como?

-Eras um monstro… um monstro amoroso.

- O teu monstro do amor?

- Sim, o meu monstro amado!
 

12/05/2013

A Ti, Enfermeiro

 
Ciência ou arte…
é o dom de cuidar.
Cuidar do corpo, cuidar da alma,
amenizar o sofrimento e a dor…
cuidar da vida com amor,
assim como o jardineiro cuida da flor.
Tu, ENFERMEIRO
que zelas à cabeceira das fés perdidas,
descobres forças desmedidas,
e estrelas nascem na tua mão.
Chegas serenamente, máscara de calma
na tua face, voz de esperança. Seguramente,
és gente que cuida de gente…!
 

11/05/2013

Histórias Sobre Fotografias: Foz do Douro - Porto


Não tinha hora certa, era quando o coração se lhe apertava com saudades do mar. Calçava as galochas, vestia o velho casaco de marinheiro e descia, ligeiro, até à foz. Ficava ali por tempo indeterminado, nem ele mesmo sabia se eram horas ou dias, que duravam os êxtases que o prendiam entre o estuário do rio e a longitude do mar. A cana de pesca era um mero acessório, jamais levara um peixe para casa. Quando algum, por descuido, mordia o anzol, oferecia-o às gaivotas que em troca lhe contavam histórias de outros mares.

Desde sempre, que era esse o fascínio que nutria pelo mar. O mar tocava outras terras, outros continentes, e conhecia outras gentes. O mar trazia notícias de mundos diferentes. Mundos que ele sempre sonhara conquistar. Nunca tinha ido para lá da praia, nem mesmo conhecia, por dentro, um grande navio, mas gostava de navegar. Oh, se gostava! Ali, mesmo, naquele cantinho da foz, quantas viagens de circum-navegação não tinha já feito? Nem lhes sabia a conta. Era só embarcar num sonho e o mar abria-lhe caminho para a aventura, levava-o por ventos e tempestades, ondas calmas ou revoltas… até ao infinito das marés.

12/04/2013

O Perfume de Alegrete - Livro

 
Embora contenha alguns apontamentos históricos, este livro não pretende ser um documento histórico nem monográfico. É apenas um retrato de sentires, formas de ser e estar, na vida e perante ela. Um retrato subjetivo, com certeza, porque escrito com toda a minha alma Alegretense. Ou lagarteira, como é costume dizer-se por cá. Através de uma história fictícia e com personagens igualmente fictícios tento mostrar as vivências, as lendas e as tradições desta terra. Uma forma de ser genuína e uma maneira de estar única e inabalável. Poética, apaixonada e orgulhosa.

28/03/2013

Histórias Sobre Fotografias: Casablanca

 
 
Pela enésima vez surpreendia a avó com os olhos pregados ao ecrã, completamente absorta, embrenhada nas sensações daquela trama a preto e branco. Casablanca, era o nome do filme. Um best-seller do século passado que a ela não dizia coisa nenhuma. Ternamente a avó estendeu-lhe a mão fazendo-a aconchegar-se no seu regaço. Tinha aproximadamente a sua idade quando tudo acontecera. Uma grande parte da alta sociedade espanhola rumava ao norte de Africa, fugindo aos resquícios de uma guerra civil que não se compadecia com ninguém. Nem mesmo com as famílias de quem se movia nos altos meandros da política. Ou, especialmente, com elas. E ela, recém-casada com um dos principais líderes da revolução, tornara-se um alvo fácil.

Por circunstâncias, ou por um qualquer contratempo, foi parar a Casablanca, onde já se estabelecia uma grande percentagem da elite europeia. Sentindo os indícios de uma guerra que não tardaria em começar, os senhores do poder punham os seus entes queridos a salvo. Mas eram principalmente as madames francesas que ali se encontravam, as mulheres e filhos dos magnatas espanhóis estabeleciam-se em territórios periféricos, sensivelmente mais a norte. Desde que, há algumas décadas atrás, os dois estados tinham decidido partilhar a supremacia sobre aquele reino de sultões que Casablanca era um protetorado francês.

E assim, ela se viu sozinha no meio de desconhecidos. Entre as mademoiselles francesas, que se exibiam em clubes privados ostentando luxo e riqueza, e a população local, onde se denotava uma certa pobreza, mas também, a autenticidade, o tradicionalismo, alguma ingenuidade e muito encantamento. Deambulava pelo universo das emoções e deixava que o corpo se embebesse em visões, cheiros e sabores, naquela terra onde as mulheres escondiam o corpo até ao rosto. Entre a cidade cosmopolita e os bairros tradicionais de mercados ao ar livre. Não passaram muitos dias até que se encontrasse com Mahamed, o vendedor de fruta que lhe desvendou o sentir, mesmo através do véu que passou a usar para melhor se entrosar com a população local.

No início eram apenas os olhares, num diálogo intenso que revelava mais que uma conversa de palavras, os dois, frente a frente, um de cada lado da banca de venda. Absorviam sofregamente os aromas dos frutos tropicais. Mas a inevitabilidade daquela paixão não permitiu que se mantivessem tão longe quanto a distância da largura da banca de frutas, e os prelúdios na suite de hotel, que o marido luxuosamente pagava, não se fizeram esperar. E os passeios, escondidos, pelos monumentos e zonas históricas, durante o dia, precederam noites escaldantes onde se desnudava de todos os véus. Até que um dia a guerra acabou, e o célebre senhor da política, agora instalado no poder, a resgatou para o seu papel de esposa. Acompanhante de luxo nas altas reuniões político-sociais.

Avó, a minha mãe?... A tua mãe nasceu alguns anos mais tarde. E a indústria cinematográfica fez Ingrid Bergman e Humphrey Bogart criarem estes dois monstros sagrados, que alimentam as minhas recordações.

22/03/2013

Histórias Sobre Fotografias: Rostos Que Marcam II

 
 
Com um punhado de areia ele plantou um jardim. Conduziu a assistência em viagens imaginárias por terras que nunca haviam percorrido. Pelo caminho das histórias viajaram com o povo Tuareg, nómadas berberes que vivem no deserto do sahara. Contou lendas e mitos do seu povo. Senhores, príncipes e princesas. Que da cultura tuareg não há muita escrita, são tudo contos ancestrais de tradição oral. Ele próprio dizia já ter nascido contador de histórias. Sou um filho de Ulisses, Sinbad, Sherazade, e dos cantores de blues deste planeta. Nos olhos um sorriso maroto… toda a sabedoria das suas gentes se transporta na algibeira de um contador de histórias, amarrada pelas notas de um alaúde.

De onde eu venho os trovadores nascem cedo. Sou da terra dos homens livres, nasci no meio do deserto, num oásis na terra de lugar nenhum. Um artista nasce da sorte. Além do dom é preciso ter sorte, e eu tive a sorte de nascer filho de um trovador berbere. E de uma poetisa. A minha mãe era poetisa e carregava-me numa trouxa às costas enquanto recitava os poemas da nossa gente. Assim me fiz contador de histórias. E músico. Também sou músico, sou percussionista e toco vários instrumentos. Também tive a sorte de conviver com griots, os mestres das artes e da palavra. Com eles aprendi muitos mitos e epopeias do meu povo, que cultivo até hoje. Além de dom e sorte, o contador de histórias precisa ter memória.

Era um contador de histórias marroquino, radicado no mundo, a contar histórias do seu país.


16/03/2013

Convite

 

Entre cursos de água cristalina e o casario que salpica de branco a paisagem, Alegrete caminha a passos determinados pela vida. Num tempo muito próprio. Como se as horas tivessem uma medida de tempo oculta. Clepsidra de saberes que se alongam pelo sobe e desce das ruas estreitas em conversas das gentes, dia e noite, em comunhão de sentires.

De história longa, que alcança os primórdios da humanidade, esta é uma terra que guarda tesouros nos seus horizontes por explorar. Lugares de culto e encantamento, depositários de riqueza, de esperança, de prosperidade. Um mundo à vista por onde os ventos espargem nobres aromas de força e vontade. Porque é assim o tempo, não para e as gentes têm de andar com ele, carregando o orgulho do passado e a confiança no futuro, seguindo caminho rumo a um novo amanhecer. Alegrete faz as gentes e as gentes fazem Alegrete, serenamente em harmonia com a natureza.

Altaneira. Orgulhosa. Alegrete é poesia, é história, é tradição. Alegrete é uma lição.

 

21/02/2013

Histórias Sobre Fotografias: Vaguear Pela Sombra

 
Vagueiam por toda a parte. Ora vagarosas, ora apressadas, umas levando a vida passo a passo, outras correndo atrás dela. São as sombras que habitam a cidade e a levam para a frente ou para traz, consoante as marés. No mar de gente que todos os dias inunda as ruas e avenidas, as praças e ruelas, ou mesmo os becos sem saída, há sombras que se movem transportando a verdadeira essência dos corpos. Essência que, quase entorpecida, só se revela na cumplicidade com o espírito, nos encontros a dois revestidos de clandestinidade. Como velhos amantes, sombra e espírito trocam confidências de alcova que só para eles fazem sentido.
A sombra enaltece aquilo que de mais genuíno o espírito tem, e ele, por sua vez, ensina-lhe os truques para se esgueirar entre a fantasia e a realidade. Fórmula humana de a alma viver em liberdade. Mesmo quando o corpo sobrevive a prazo numa existência moribunda, a sombra, sempre ela, guarda a réstia de dignidade que persiste mesmo nos corpos sem destino. Ou o lado oculto do Ser, que com ele coabita numa vivência equilibrada de querer e poder. O que se mostra nem sempre é o que se quer mas o que se pode, porque há o verso e o reverso do espelho, cada alma é assim. Ora transparente, ora opaca, balançado entre a fantasia e a realidade, entre a mentira e a verdade. Cada sombra carrega o seu corpo, criando a simbiose perfeita entre parasita e hospedeiro numa relação de sobrevivência.
E dessa forma os corpos vagueiam pelas sombras, como um só Ser, que são, na diversidade de um mundo cada vez mais igual.
 

18/02/2013

Histórias Sobre Fotografias: Corpos Que Conversam Corpos Que Se Descobrem


 
 
Eram sempre intensos, os diálogos que travava com o seu próprio corpo. Às vezes longos, durante horas, outras vezes apenas por breves instantes. Mas todos eles de um auto-conhecimento crescente e cada vez mais profundo do corpo que desabrochava em si. Como uma flor que se constituía para mais tarde gerar frutos, ia sendo cada vez menos menina e cada vez mais mulher. Tantas as transformações, tantas, naquele corpo em desarmonia com a mente. Conversavam conversas longas e aguerridas de confrontos brutais.

Todos os dias se surpreendia com uma nova descoberta, e um novo confronto, para resolver numa conversa de intensidade extrema. Profunda e esmagadora, a dilacerar a própria pele. E a deixar as marcas da batalha cravadas no rosto. Ó corpo que te apresentas com tanto mistério! São transformações e mais transformações para entender, a toda a hora. Ainda se houvesse uma lição que fosse aprendida e pronto, mas não, os mistérios pareciam não ter fim. Havia sempre um outro problema no dia seguinte. E outro no dia seguinte ao seguinte.

Só mais tarde, já mulher, percebeu que o corpo é para conhecer devagar. A conversar. Conversar até ao limite do entendimento, e do conhecimento. Que depois vem a serenidade.


15/02/2013

Histórias Sobre Fotografias : Metro do Porto [Casa da Música]

 
Observava atentamente a ladainha dos jovens que eram praticamente a totalidade dos passageiros, àquela hora do dia. E sonhava. Ele também já tinha tido aquela energia, aquela mesma disposição, aquele mesmo vigor e aquele mesmo jeito para catrapiscar as raparigas. Que agora lhe pareciam mais atrevidas, diga-se de passagem. Coisas dos tempos, os tempos mudam e mudam também os comportamentos. Mas, mal feitas as comparações, será que as coisas mudaram assim tanto? Os jovens continuam a ter sonhos, a fazer projectos para o futuro, a querer ser mais e melhor. Ele percebia-o pelas conversas de uns e de outros que ia ouvindo ao acaso. A questão é se esses sonhos se tornarão realidade, ou se esses projectos se concretizarão, ou ainda se um dia serão mais e melhores. Melhores pessoas, claro. Ele, melhor que ninguém, sabia quantos sonhos se podem perder ao longo de uma vida, e quantos projectos não passam disso mesmo. O quanto a vida pode moldar uma pessoa. Tinha-o sentido na pele.
Acabava de pagar a sua dividida para com a sociedade. Conversa esta mais hipócrita, tinha sofrido as consequências dos seus erros, isso sim. Tanto tinha ambicionado ser mais que se esquecera de ser melhor. Foi atrás do dinheiro fácil, encantou-se com as ostentações de luxo que passou a presenciar, e daí até ao mundo do crime foi apenas um passo. E por isso tinha passado os últimos vinte anos a ouvir dizer que tinha de pagar a sua dividida para com a sociedade, e que se tinha de reabilitar para essa mesma sociedade. Tretas, só tretas. A sociedade é que precisava ser reabilitada, e com urgência. Antes que fizesse com aqueles jovens o mesmo que tinha feito com ele. Agora que eles ainda traziam com eles os projectos dos bancos da faculdade e ainda se lembravam de ser antes de ter, talvez ainda fosse tempo.
E de repente, o metro parou. Embrenhado nas divagações nem tinha percebido que se aproximava da sua estação. Era ali que devia ficar, dali iria a pé até casa. O apartamento quase em ruinas no centro da sua invicta cidade do Porto, que tinha herdado dos pais. Pegou na mala onde guardava os seus poucos pertences e saiu, caminhando devagar. Estava velho, aos cinquenta e cinco anos.  


 
 
 

08/02/2013

Escolhas

 
 

Há horas em que é preciso escolher, a vida é feita de escolhas. Em cada fase, em cada momento, há sempre uma escolha a fazer e se não a fazemos o destino escolhe por nós. Seja lá o que for, isso do destino, mas a verdade é que ninguém fica parado e pronto. Há sempre um qualquer andamento, escolhido ou não. E se não tivermos feito a escolha corremos o risco de pensar que tudo poderia ser diferente.

Mas fazer escolhas é ficarmos prisioneiros das suas consequências. Há escolhas que custam lágrimas, dor, sofrimento, muitas vezes escolhas que fazemos para alimentar o nosso próprio ego, e há escolhas que fazemos precipitadamente. O momento da escolha é importante, ele próprio doloroso, às vezes, mas é sempre melhor escolher antes do que depois. A dor do depois é insuportável e irreversível. Satisfaz, apenas, a admiração exagerada pelo nosso próprio ego, no momento de a seguir.

As dores que veem no final são sempre consequência das nossas escolhas, tantas vezes feitas nos momentos mais conturbados da nossa vida…

… e há escolhas que doem tanto, tanto, tanto…