17/04/2017

Apresentação do livro Triunvirato de Uma Alma Inquieta


... é já no próximo dia 22 de Abril e espero-vos todos lá! 

15 H - Sala de Conferências do Hospital de Portalegre 



08/04/2017

Uma flor para ti


Desconheço autoria da imagem 

Uma flor…
é o que eu procuro para te dar,
na densidade deste jardim.
Uma flor límpida e singela,
tal como o que sinto por ti!

Não é vistoso, nem exuberante,
este sentimento que guardo,
no mais recôndito recanto
da minha alma, já desnuda.
Mas é leve e transparente,
como a água da forte corrente
do rio que segue até ao mar!
E no oceano de águas profundas,
também ele se inunda
de saudades, se não te sente.

Por isso…
a flor que eu procuro
não tem de ser a mais bela.
Apenas, límpida e singela,
como o que sinto por ti!



22/03/2017

Olha-me nos Olhos

Foto: ALBERTO LOI

Olha para mim…
olha-me no fundo dos olhos
e diz-me o que vês.
Com certeza, saberás decifrar
tudo o que eu não sei.
Porque tudo o que me preenche,
neste momento, é mistério.
Um certo estado de alma,
que vai para além da compreensão.
Insanidade, talvez…
mas que eu não entendo o porquê.
Diz-me que é normal…
levitar com os pés assentes no chão,
ou pairar sobre as nuvens,
mesmo em manhãs límpidas de Verão.

Olha-me no fundo dos olhos…
e diz-me o que vês!  


20/03/2017

Dar Tempo ao Tempo

Fotografia: Марк Олич

Tenho momentos
em que me falta o alento,
para expandir todo o meu eu.
Tal é a pequenez das horas,
onde a vontade se prendeu.

Queria tanto
ir e derramar por ai fora,
a grandeza deste sentimento.
Render-me, como por encanto,
ao universo, sem a menor demora.

Ir com o vento,
até à infinitude do meu ser.
Apagar o espaço do tempo,
que aprisiona a possibilidade
de  fazer render o pensamento.

E aprender
essa grande habilidade,
talvez, impensável realidade
de enganar para convencer
o tempo a dar tempo ao tempo.


19/03/2017

Conversei com as estrelas - Luísa Vaz Tavares


Tinha a dor presa em mim.
Brutal, com nós impiedosos
que não conseguia desatar.
Nem com a minha força para viver.  

Então fui à janela e
conversei com as estrelas.  
De olhos postos em mim, falei-lhe
de como me sentia pequenina.
Perdida no meu mundo de dor.  
De como me sentia impotente,
perante o tamanho da minha angústia.
Que era a maior de todas.  

E elas disseram-me
que levantasse os olhos de mim
e olhasse em frente o horizonte,  
que se desenhava no céu.
E para lá dele o universo infinito
que havia à minha volta.  
Só para mim, e para quem eu quisesse.  
Universo sem limites, que eu poderia
construir á minha medida .


13/03/2017

Ilusão da Primavera

Foto: Lena Trindade

Devagar,
como quem tem o tempo
ao seu dispor,
a natureza renova-se.
No canto
dos pássaros a voar,
das cigarras de flor em flor,
ou da brisa, como um lamento
pelo vento que se esvai.
Do Inverno,
que passa a esquecer-se,
até que a natureza
caia de novo em pranto
e mais nenhum ai
se oiça, no entanto.
Mas até la,
há este sentimento terno
que a vida é toda amor,
na sua maior pureza.
Qual outra era,
como as que já não há.  
É a ilusão,
provocada pela Primavera
ao mais incauto coração!



08/03/2017

Mulher Madrugada

Foto: Ilona Pulkstene

Era a noite
que viria a ser madrugada.
A noite feita mulher.
Não aquela noite sensual,
de mistério e encanto,
onde ela clandestinamente
domina…
mas uma noite de trevas
e pesadelos mutilantes.

Era a noite
a que a luta quis dar luz.
Luta de Deusas menores.
Sem armas, sem cadafalsos,
ainda assim com a força
emprenhada…
que fez da noite madrugada.
E mais serena continuaria,
almejando o pleno dia.

Mas continua a ser madrugada…