07/10/2010

Olhares que não se cruzam


Em cada esquina
Um novo olhar
Triste, vazio
Contente, vadio
Ou… apenas indiferente
Olhares que não se cruzam
Não saem de si mesmos
Na procura da sua pertença
Não têm, querem ter
Ter, ter, ter
A razão do seu viver
Percorrem o caminho solitário
Esquecem-se de ser
Ser vida no seu pleno
Ser, apenas ser
Ser com toda a satisfação
Alma e coração!

Liz
Enviar um comentário