19/01/2017

Chegaste poesia


Fotografia de Vittorio Pellazza

Chegaste tarde…
emergindo por entre a neblina,
que cobria a noite.
Contigo, trazias a chama que arde
sempre em rima,
dos versos que surgem sem mote.

O tempo fez-se poema…
no instante da esperança perdida,
sem sol para amanhã.
E um desabrochar de açucenas
sem medida
renasceu nos veios da pedra Ançã.

Vestiu-se a vida de poesia…
assim, naquele tempo que estava nublado.
Palavras pequenas
passaram a surgir numa senda de alegoria
ao sentir acabado,
jorrando em fluxo do bico de todas as penas.



Enviar um comentário