19/02/2012

Esta dor que sinto


Que dor é esta
Que me está a roubar a vida?

Estou só, estou desprotegida
Não reconheço nada de mim
Já não há luz neste caminho
Que antes era tão claro
Num sopro de nada, é o fim
Morreram os sonhos
Perdeu-se a vida
Sem aviso, sem punição, foi assim

Onde estão os momentos eternos?
Onde estão as recordações?
Já não consigo acreditar
Parece que já nada vale a pena
De que vale partilhar orações
Se a fé é tão pequena,
Comparada com esta dor que sinto
Perante a injustiça terrena

6 comentários:

Anita de Castro disse...

Sentimentos profundos
Um beijinho Liz

Dina disse...

Olá Luísa
Acho demasiado triste,compreendo, mas gostei mais do anterior, onde mostravas força e determinação, apesar da dor imensa de te sentires nessa prisão.Nos outros gostei de ler que apesar de tudo , ainda tinhas sonhos e que eles vagueavam, por sítios onde tudo era possível.
Não desistas.
Beijinho

Anónimo disse...

Essa dor que sentes, sei bem como é e por isso te digo que ela vai passar, passa sempre, é uma questão de tempo :) Beijos muitos!
F.

Clementina disse...

Luisa, gosto do que escreve, embora seja visivel o seu estado de alma, não admira. inn Bonito
Um beijinho

Liz disse...

Sabes, Dina,acontecem coisas que nos fazem desfalecer e que custam a aceitar mas eu ainda tenho sonhos. Este texto tem mais a ver com quem já não tem hipótese de os ter.

Beijinhos para vós, amigas!

JoséManuelBarbosa disse...

Uma dor intensa... um lamento... uma chama apagada...
Mas continuar é preciso, minha amiga!