21/05/2018

O Sonho do João - Parte III

Quadro do pintor espanhol Pere Borrell del Caso

Mesmo a medo, ele avançou.
Não era pessoa de desistir
e o sonho era tão forte,
que lhe deu a força para subir.
De uma só vez, escalou a altura.
Percebeu como a estrela era macia
e deitou-se de barriga para baixo.
Apoiado nos cotovelos, viu noite escura
e a terra coberta de maresia,
àquela hora da brisa do norte.




Era uma visão limitada.
Percebeu, quando iniciou a subida
e o universo começou a crescer.
Ficava mais pequeno, na verdade,
mas via cada vez mais zonas,
 que sempre sonhou conhecer.
O planeta onde morava,
que todos lhe diziam ser azul,
apenas o via ficar brilhante
à medida que deslizava para sul.




E quando a estrela descia em altura,
via tudo muito mais definido.
 No mundo, as diferenças surgiam
a cada mudança de posição.
Quando passou no hemisfério norte,
sentiu frio e muita tremura,
enquanto no sul, sentiu o pleno Verão.
No oriente, encontrava dia,
ao mesmo tempo que, indo a ocidente,
passeava na escura noite.




Enviar um comentário