11/05/2013

Histórias Sobre Fotografias: Foz do Douro - Porto


Não tinha hora certa, era quando o coração se lhe apertava com saudades do mar. Calçava as galochas, vestia o velho casaco de marinheiro e descia, ligeiro, até à foz. Ficava ali por tempo indeterminado, nem ele mesmo sabia se eram horas ou dias, que duravam os êxtases que o prendiam entre o estuário do rio e a longitude do mar. A cana de pesca era um mero acessório, jamais levara um peixe para casa. Quando algum, por descuido, mordia o anzol, oferecia-o às gaivotas que em troca lhe contavam histórias de outros mares.

Desde sempre, que era esse o fascínio que nutria pelo mar. O mar tocava outras terras, outros continentes, e conhecia outras gentes. O mar trazia notícias de mundos diferentes. Mundos que ele sempre sonhara conquistar. Nunca tinha ido para lá da praia, nem mesmo conhecia, por dentro, um grande navio, mas gostava de navegar. Oh, se gostava! Ali, mesmo, naquele cantinho da foz, quantas viagens de circum-navegação não tinha já feito? Nem lhes sabia a conta. Era só embarcar num sonho e o mar abria-lhe caminho para a aventura, levava-o por ventos e tempestades, ondas calmas ou revoltas… até ao infinito das marés.

2 comentários:

JoséManuelBarbosa disse...

Te agradeço, mais uma vez, pelo facto de mais uma fotografia minha te inspirar a escrita e o devaneio porque "Era só embarcar num sonho e o mar abria-lhe caminho para a aventura, levava-o por ventos e tempestades, ondas calmas ou revoltas… até ao infinito das marés." Lindo, minha Luísa... beijo!!!

Luisa Vaz Tavares disse...

Um belíssimo álbum, este (tal como são os outros todos), que me levou para o mundo dos sonhos. Eu é que agradeço

Beijo!