30/11/2011

Até Amanhã


                Agora, à hora que a lua se levanta,
                quero adormecer nos teus braços,
                serenidade!
                Vingar-me dos atropelos deste dia,
                soltar-me dos laços e enlaces
                da ansiedade.
                Vestindo somente raios de luar,
                quero despojar-me do meu corpo
                dolorido.
                E, apenas alma, percorrer a noite
                envolta num sonho colorido e
                transcendente,
                até a um amanhecer reluzente,  
                uma alvorada que ainda não descobri
                para mim…
                Que amanhã é um novo dia…

Enviar um comentário