11/07/2011

De Alma Plena

Image and video hosting by TinyPic

Hoje apetece-me celebrar a vida, pregar aos quatro ventos, gritar que a vida é bela. Sinto-me livre, talvez livre de mim… dos pensamentos que me amarram, das dores que me limitam. Para lá do horizonte dessas sensações mundanas há um céu e, hoje ofereceram-me um pedacinho desse céu. Mas é difícil de aceitar, esse céu, porque as amarras que nos prendem ao mundo pré-fabricado mesmo ainda antes da nossa própria existência estão enraizadas na mente… na dos outros mas também na minha. E é a mente que me relembra das amarras e das dores. Já não sei se devo celebrar a vida, se é sensato aceitar esse bocadinho de céu que me ofereceram. E eu sou uma pessoa sensata. Sou mesmo!

Mas que tem a sensatez a ver com a minha vontade de celebrar a vida? Não tenho uma vida inteira, eu sei, tenho um corpo ausente que parece conceber-me o estatuto de ser inanimado incondicionalmente. E também tenho uma alma, uma alma que sonha, que projecta e realiza. Uma alma que se sente plena quando lhe oferecem pedacinhos de céu!



4 comentários:

MariahR disse...

Olá Liz!

Fez-me bem ler-te aqui...

Beijinho grande

Maria

JoséManuelBarbosa disse...

... e querias tu calar o pensamento... olha o que se perderia que em vez de doer a vida prefiro-te de alma plena. Beijooo!!!

Bia Didi disse...

A vida somos nós de cada vez que inspiramos, e olhamos para dentro, e de cada vez que expiramos e nos damos ao mundo. Adorei ler o que escreveste. Encheu-me de energia positiva! Beijinhos

CÉU ROSÁRIO disse...

Querida LIz!
Obrigada por me dares um pouco do teu céu, hoje fazia me falta...
Ainda bem que passei por aqui...
Beijinhos miuda!